Home Pesquisar Endereços úteis Meio Ambiente Astronomia Recicle Classificados Dinossauros Anuncie Noticias Fale Conosco

 

 
   

 :: O que é um dinossauro

   :: Tipos de dinossauros
   :: Alimentação
   :: Como se reproduziam
   :: Crânios
   :: As Caudas dos dinos
   :: Garras poderosas
   :: A velocidade dos dinos
   :: Blindagem de dinos
   :: Barbatanas
   :: Cores dos dinos
   :: Os sons dos dinos
   :: Evolução dos dinos
   :: Tamanhos dos dinos
   :: Sangue quente ou frio
   :: Dinossauros do Brasil
   :: Estrutura Social
   :: Inteligência dos dinos
   :: Tiranossauros Rex
   :: Membros dos Dinos
   :: Tempo de vida
   :: Aves dinossauros
   :: A extinção
   :: Dinos o retorno
   :: Noticias de Dinos
 
   

 

 
 :: Árvore
 :: Bolsa de valores
 :: Carta ao Leitor
 :: Ciência
 :: Culinária
 :: Desaparecidos
 :: Descobrimento do Brasil
 :: Emissoras de Rádios
 :: Endereços Úteis
 :: Historia do Brasil
 :: Globalização
 :: Lixo Recicle
 :: Mandamentos
 :: Mapa do Brasil
 :: Meio ambiente
 :: Mulher
 :: Paises
 :: Lixo Recicle
 :: Plantas Medicinais
 :: Piadas
 :: Olimpíadas
 :: Sexo
 :: Sites úteis
 :: Truques do amor
 :: Vídeos
 :: Nossa Historia
             ANIMAIS
 
 :: O que é Meio Ambiente
 :: Declaração do Ambiente
 :: Aquíferos
 :: Água o liquido precioso
 :: Anfíbios
 :: Arvores
 :: Animais em extinção
 :: Aves
 :: Baleias  ancestrais
 :: Cães
 :: Celenterados/Cnidários
 :: Cobras
 :: Crustáceos
 :: Equinodermos
 :: Gatos
 :: Grandes Felinos
 :: Insetos
 :: Macacos
 :: Mamíferos em geral
 :: Moluscos
 :: Oceanos e Rios
 :: Peixes água doce
 :: Peixes água salgada
 :: Poríferos
 :: Protozoários
 :: Répteis em geral
 :: Tartarugas
 :: Vídeos de Animais
 

 

 

 

 
 

 

Como se Reproduziam

 

 

 
   

 

Durante muito tempo esse assunto foi deixado de lado pelos paleontólogos, pois ao falar de reprodução é necessário falar-se de sexo. E sexo sempre foi um tabu. Mas hoje a mentalidade mudou e a reprodução dos dinossauros não só é discutida livremente como  é um dos aspectos de sua vida mais estudados. É preciso entender que os dinos não eram monstros de outro mundo como apareciam nos filmes. Eles faziam as mesmas coisas que os animais de hoje: comer, beber, dormir, excretar, acasalar .

 

Ao falarmos de reprodução temos que levar em conta todo o processo que a envolve, desde o acasalamento, passando pela incubação e nascimento, até os cuidados e o crescimento dos filhotes.

Todas as semanas novas espécies de dinossauros são descobertas e muitas apresentam estruturas estranhas que nem sempre podemos explicar. Cornos, espinhos, barbatanas, etc... Para todas essas excentricidades antigamente tínhamos uma única explicação: combate e defesa. Por exemplo, os cornos e gorjeias dos ceratopsianos durante anos foram tidas como armas para defendê-los dos tiranossauros. Estudos recentes revelaram que tanto cornos como gorjeias eram frágeis demais para essa função. Então para que serviam? A resposta é sexo!!!

É possível que essas estruturas fossem usadas para ornamentação e exibição durante a época de acasalamento. Os ceratopsianos poderiam exibir suas coloridas gorjeias para as fêmeas para atraí-las. Se um macho rival aparecesse seus cornos poderiam ser usados para combates ritualísticos.

Essa mesma explicação é aplicada por muitos especialistas para as placas dorsais dos estegossaurídeos, as cristas e barbatanas dorsais encontradas em muitos dinossauros.

Muitas das antigas teorias sobre o comportamento reprodutivo dos dinossauros foram postas abaixo com as novas descobertas dos cientistas. Antes acreditava-se que ao botarem seus ovos eles os abandonavam. Indícios provam que muitas espécies não só cuidavam dos ovos como dos filhotes depois de nascerem, alguns até por bastante tempo.

Acreditava-se que os dinossauros os carnívoros, como o tiranossauro, ao botarem seus ovos simplesmente os abandonavam à própria sorte. Indícios fósseis mostram que logo após o acasalamento, macho e fêmea construíam um ninho e ali eram colocados dúzias de ovos.

Provavelmente apenas 4 ou 5 nasciam e sobreviviam. Aos nascerem os bebês ainda eram pouco desenvolvidos, como foi mostrado por um achado de um tiranossauro recém- nascido. Quando nasciam eram muito pequenos e frágeis e durante algum tempo permaneciam no ninho. Os pais lhes traziam comida e com o tempo eles começavam a sair para caçar pequenos animais que encontravam, sempre com a supervisão dos pais.

Os tiranossauros demoravam aproximadamente 15 anos para ficarem adultos, um período de tempo bastante curto, se levarmos em conta que nasciam do tamanho de um peru e cresciam até pesarem cerca de 6 ou 7 toneladas.

Animais menores, como oviraptores também cuidavam de suas crias, alimentando-as com comida regurgitada. Deveriam demorar pouco mais de 1 ano para atingirem o tamanho máximo.

Os ceratopsianos machos na época do acasalamento ficaram com suas gorjeias bem coloridas e as agitavam para atrair as fêmeas. Às vezes 2 machos acabavam brigando por uma fêmea. Após o acasalamento eles faziam grandes buracos no chão e depositavam seus ovos em fileiras. Costumavam nidificar em colônias para que pudessem proteger seus ninhos e os dos outros de ladrões de ovos. Os filhotes nasciam sem chifres: estes cresciam conforme a idade. Mesmo depois de crescidos os filhotes ainda ficavam sob tutela dos pais até que ficassem grandes o suficiente para se defenderem sozinhos.

Os hadrossauros também nidificavam em colônias, sendo que cada ninho ficava a uma distância de aproximadamente 4 metros um do outro, para melhor proteção.  

Os filhotes muito pequenos passavam muito tempo no ninho, até se desenvolverem mais para que pudessem sair. Acredita-se que levavam uns 8 anos para atingirem a idade adulta. 

Você já tentou cuidar de um filhote minúsculo de hamster ou de passarinho? É muito difícil, principalmente pela diferença de tamanho entre um ser humano e um bichinho desses. Agora imagine um animal de mais de 30 toneladas, com um cérebro minúsculo, tendo de cuidar de uma criatura com pouco mais de 40 cm de comprimento e pesando menos de 2 kg? Se para nós já é difícil, imagine para eles...

Os saurópodes tinham um método de reprodução muito interessante: a fêmea cavava um buraco às margens de uma floresta fechada e lá depositava centenas de ovos redondos. Enterrava-os e os deixava lá.

Quando nasciam os bebês saurópodes já podiam caminhar e se virar sozinhos, assim corriam o mais que podiam para dentro do mato fechado. Lá ficavam por muitos anos aproveitando-se de sua camuflagem contra os predadores.

É claro que nem sempre funcionava e a maioria era apanhada. Quando ficavam grandes demais para viver ali eles saíam para campo aberto e tratavam de procurar uma manada de adultos. Se conseguissem encontrar uma os adultos instintivamente os adotavam e passavam a cuidar deles como se fossem seus, para o resto de suas vidas.

Acredita-se que os saurópodes atingiam a maturidade sexual aos 20 anos mas podiam crescer para o resto de suas vidas, claro que num ritmo mais lento depois de alcançada a maturidade. Assim, quanto mais velho o animal, maior ele era. Imagine o tamanho de um saurópode de 150 anos, idade máxima que os cientistas acham que eles atingiam. . .

Muitos especialistas rejeitam essa idéia. Eles acreditam que os saurópodes cuidavam das crias desde o período de nascimento. As discussões ainda permanecem. Os troodontes tinham um método bastante incomum de reprodução. Sabe-se que eles dividiam o território com dinossauros ornitópodes conhecidos como Orodromaeus, que cuidavam muito bem de suas crias. Os troodontes, aproveitando seu tamanho e aparência equivalente se infiltravam nos ninhos e colocavam seus próprios ovos ali. Os pais Orodromeus não percebiam a diferença e cuidavam dos ovos do intruso como se fossem seus. Os bebês troodonte nasciam primeiro e já eram pequenas máquinas de matar. Comiam os outros ovos e, às vezes, filhotes mais fracos de Orodromaeus.





Pedimos sua atenção:
 

Novo sistema de governo (inventado) para o Brasil é (Apolítico), ou seja, sem políticos, troque a irresponsabilidade pela responsabilidade, de o seu apoio no site: http://www.sfbbrasil.org




Conheça o Ache Tudo e Região  o portal de todos Brasileiros. Coloque este portal em seus favoritos. Cultive o hábito de ler, temos diversidade de informações úteis ao seu dispor. Seja bem vindo, gostamos de suas críticas e sugestões, elas nos ajudam a melhorar a cada ano.
Faça parte desta comunidade, venha para o Ache Tudo e Região.
 
 

PUBLICIDADE

 



Copyright © 1999 [Ache Tudo e Região]. Todos os direitos reservado. Revisado em: 03 fevereiro, 2014.